Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
Jun 2017 · 393
Chame os guerreiros!
Serafeim Blazej Jun 2017
Chame os guerreiros,
Nós vamos à batalha!
A guerra clama por nós.
Chame os guerreiros,
Nós vamos lutar!
Os inimigos fogem à visão.
Chame os guerreiros,
Nós vamos vencer!
Derramaremos nossos corações no campo de batalha
E terminaremos com essa maldita guerra.
Chame os guerreiros,
É hora de parar o combate!
Chame os guerreiros,
É nossa última morte
E todos vamos cair juntos.
04/02/2017.
Serafeim Blazej Jun 2017
Os demônios estão todos aqui
Na sua cabeça
A sua mente está quebrando
Se estilhaçando, pedaço por pedaço
Você não consegue amarrá-la
Você não consegue juntar os pedaços
Você não consegue consertar a si mesmo

Os demônios estão todos aqui
E eles não vão deixar você livre
Abrace-os, acolha-os
Porque eles são seus novos amigos
31/05/2017, adaptação em 30/06/2017
Jun 2017 · 390
Havia uma garota
Serafeim Blazej Jun 2017
Havia uma garota, eu a observava de longe
Nós éramos da turma dos invisíveis
Ela não me via, mas eu a enxergava
Havia uma garota e ela era linda
Havia uma garota e ela era tudo
Havia uma garota e então não havia mais nada

Havia uma garota e ela era da turma dos populares
O típico esteriótipo "high school" americano
Havia uma garota e quem ela tinha sido
Havia uma garota e quem ela era
Havia uma garota e ela era vazia
Nós éramos estranhos orbitando o mesmo sistema

Havia uma garota e eu a amava
Então ela mudou
Virou de larva a borboleta
Só que não foi bonito
E então só havia o vazio

Havia uma garota e então não havia mais nada
Em seu lugar só restou uma despedida
Um pedido desesperado de ajuda
Havia uma garota e ela era triste
Havia uma garota e ela era invisível, mesmo sob os holofotes
Havia uma garota e ela era solitária
Nós não éramos ninguém para os outros
Mas eu a enxergava

E então havia um garoto
Que ficou com as últimas palavras dela
Havia alguém que se importava no final
Então havia eu
04/03/2017, adaptação em 30/06/2017
Jun 2017 · 285
04/03/2017, madrugada
Serafeim Blazej Jun 2017
Marinheiro, marinheiro
Se vamos estar mortos, companheiro
Por que lutar contra o desespero?
04/03/2017, madrugada.
Jun 2017 · 322
Assim que você ser
Serafeim Blazej Jun 2017
A lua vai se pôr
E o sol não vai nascer
A escuridão vai crescer
E você vai perecer
Os versos se tornarão sombrios
E a dor trará frio
Tudo vai se desfazer
Assim que você ser
04/03/2017
Serafeim Blazej Jun 2017
Se estamos aqui afinal
Por que não terminamos com tudo no final?
Se estamos em busca sempre de algo
Por que nos preocupamos com hábitos?
Se estamos a deriva no mar
Por que continuar a velejar?
Se estamos soltos no Universo
Por que nos prendemos ao certo?
Se estamos a rimar
Por que continuar?
04/03/2017.
Serafeim Blazej Jun 2017
Marinheiro, marinheiro
Se eu te disser, companheiro
Que a vida não vale a pena no mar
Você desiste de velejar?
Marinheiro, marinheiro
Se eu te confessar, companheiro,
Que estou a duvidar
Você insiste em me acompanhar?
Marinheiro, marinheiro
Se eu esbravejar, companheiro
Você me aceita sem lutar
E me ajuda devagar?
Marinheiro, marinheiro
Se eu gritar, companheiro
Você me resgata de me matar
Ao insistir em não respirar?
Marinheiro, marinheiro
Você é meu fiel companheiro
Você consegue nisso acreditar
Mesmo que eu esteja a titubear?
Marinheiro, marinheiro
Você, companheiro
Vale por cem cargueiros
Cheios de nosso companheiros.
04/03/2017.
Jan 2017 · 387
Mova-se! (Seus sonhos)
Serafeim Blazej Jan 2017
Todos os sonhos
Vão ser enterrados
Enterrados com você
Então mova-se!
É o fim ou o início?
É o meio ou o nada?
Você está aqui ou está morto?

Mova-se!
Quanto mais rápido, mais devagar
Vai tragar você,
Parar seu avanço
Vai agarrar você,
Te segurar
Mova-se!

Todos os sonhos
Eles vão perecer
Não mova-se!
Fique aqui
Morra sonhando com seus sonhos
Morra imaginando o que você queria ser
Morra! sem saber como é ser
O que você quer ser

Então mova-se!
Mova-se!
Não pare,
Não fique parado
Nunca pare de se mover
Porque quando você parar
Você vai estar morto
E todos os seus sonhos também.

Mova-se!
(Mova seus sonhos)
20/01/2017
Jan 2017 · 915
Eu sou o vazio e o nada
Serafeim Blazej Jan 2017
Eu sou o vazio
As estrelas e o fim do mundo
Eu sou o nada
Que engole o nada
Eu sou o vazio
Que não tem início nem fim
Eu sou o nada
O nada absoluto
Eu sou o vazio
A escuridão mais escura
Eu sou o nada
A parte mais vazia de mim
Eu sou o vazio
Meu corpo inteiro é nada
Eu sou o nada
Minha vida é toda de vidro
Eu sou o vazio
O universo saiu de mim (me abandonou)
Eu sou o nada
E agora estou sozinho.
20/01/2017
Jan 2017 · 371
Reúna os mortos aqui
Serafeim Blazej Jan 2017
Reúna os mortos aqui
Eles não podem falar
Mas eles vêem tudo
Você não conseguirá fugir
Você não consegue se esconder

Reúna os mortos aqui
Neste lugar sagrado
Queimaremos a cidade dos mortos
Eles vão arder e amaldiçoar
Eles vão ver você queimar

Reúna os mortos aqui
Não esqueça de trazer os vivos (também)
Eles não devem perder a festa
Reúna os mortos e os queimados
Vamos reerguer a cidade dos mortos
Vamos reerguer o que queimamos

Reúna os mortos aqui
Não esqueça de você
Você está morto também.
20/01/2017
Serafeim Blazej Dec 2016
Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
Ele é o rei das flechas
O príncipe e o próprio monarca
Ele é o último pássaro humano

Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
Ele possui olhos pálidos
E canta como um rouxinol
Ele vai te enfeitiçar e atar

Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
Ele me prendeu ao seu coração azul
Meu lar é mais frio que gelo
Eu, que um dia, fui uma fênix

Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
Ele é o vilão de muitas lendas
Eu sou seu prisioneiro em todas elas
Inclusive em meu próprio mito

Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
Eu fui seduzido por sua tristeza e solidão
Eu fui enganado por suas lágrimas
Eu fui preso por seus lábios

Eu estou atado ao garoto de cabelos negros
E nunca serei livre
Meu coração foi tomado de mim
Pelo garoto de cabelos negros
Escrito em 13/12/2016.
É um presente.
Dec 2016 · 1.5k
Sailor, sailor
Serafeim Blazej Dec 2016
Sailor, sailor
You lost your anchor
You lost your atlas
Sailor, sailor
You killed your comrades
And there's no place on land for you
Sailor, sailor
They told you to never come back
They told you to stop breathing
Sailor, sailor
And how about all the pain that you felt?
Have you lost your heart?
Sailor, sailor
They hate you
You are death itself, they say
Sailor, sailor
Are the tailor and the midnight boy in peace?
Are their ghosts still haunting you?
Sailor, sailor
Have you lost the fear of that boat?
That old broken boat that is you
Sailor, sailor
Did you feel the smell of home?
Your comrades are on land
Sailor, sailor
How do you navigate on the gorge?
How do you fight with the despair?
Sailor, sailor
I found your anchor and your atlas
But they belong to another sir
Sailor, sailor
Did you give up on your destiny?
You abandoned your crew
Sailor, sailor
Where will be your burial?
Because you're dead after all
Sailor, sailor
If I say that I hate you
Because you left your crew?
Sailor, sailor
You would answer me
If I said that I hate you?
Sailor, sailor
If you're dead after all
Why am I a ghost?
Sailor, sailor
Where is your heart?
Because I don't want to suffer anymore
Sailor, sailor
Who are you after all?
Because I'm a spectre of who you've been
Sailor, sailor
If I **** my comrades
And leave the crew
Sailor, sailor
Am I going to be free from this despair?
Will the darkness leave me?
Sailor, sailor
Why am I so sad
If I'm a lonely ghost?
Sailor, sailor
They say that you are the worst
The one who should never have existed
Sailor, sailor
What does it say about me?
If you had not been born after all
How could I be here?
Sailor, sailor
If you recover your anchor and your atlas
If you recover your crew
Do you accept me?
Sailor, sailor
If you are alive after all
Can you lend me your name?
Because I'm tired of suffering
Sailor, sailor
If I'm your heir
Do you let me sail on that old boat?
Sailor, sailor
Do you let me be the death itself?
Because I don't want to suffer anymore.
Sailor, sailor
Do you let me be just a ghost
Wandering aimlessly through the darkness?
Sailor, sailor
Do you let me **** myself
In order that I don't make anyone suffer anymore?
Sailor, sailor
Why did everything change?
It was easier when we were all dreamers
Sailor, sailor
I want to be a sailor again
In order that I can feel the smell of home
Sailor, sailor
If I'm not a sailor anymore
Can I leave the boat?
Sailor, sailor
I want to embrace the sea
Sailor, sailor
I want to bleed with the sea.
Sailor, sailor
I want to understand completely
Why I stopped being a sailor
Sailor, sailor
I'm going to become your comrade
We will be dead after all.
Part of a story and a kind of a pour out the feelings too.
Serie "Sailor, sailor".
Translated on 03/12/16 and 04/12/16.
Edited on 28/12/17.

("Marinheiro, marinheiro")
Serafeim Blazej Dec 2016
Sailor, sailor
Do you feel the ground crumbling under your feet?
Sailor, sailor
Do you feel the darkness' hunger for you?
Sailor, sailor
Do you feel your heart break and bleed?
Sailor, sailor
Do you feel the deaths you caused?
Sailor, sailor
Do you feel the desperation swallowing you?
Sailor, sailor
Do you feel your death itself?
Serie "Sailor, sailor"
Translated on 03/12/16.
Edited on 28/12/2017.

("Marinheiro, marinheiro, você sente você?")
Dec 2016 · 471
Marinheiro, marinheiro
Serafeim Blazej Dec 2016
Marinheiro, marinheiro
Você  perdeu sua âncora
Você perdeu seu atlas
Marinheiro, marinheiro
Você matou seus companheiros
E não há lugar em terra para você
Marinheiro, marinheiro
Te disseram para nunca mais voltar
Te mandaram parar de respirar
Marinheiro, marinheiro
E toda dor que você sentiu?
Você perdeu seu coração?
Marinheiro, marinheiro
Eles te odeiam
Você é a própria morte, dizem eles
Marinheiro, marinheiro
O alfaiate e o jovem da meia-noite estão em paz?
Seus fantasmas ainda o perseguem?
Marinheiro, marinheiro
Você perdeu o receio daquele barco?
O velho barco quebrado  que é você
Marinheiro, marinheiro
Você sentiu o cheiro de casa?
Seus companheiros estão em terra
Marinheiro, marinheiro
Como você navega pelo desfiladeiro?
Como você luta com o desespero?
Marinheiro, marinheiro
Eu achei sua âncora e seu atlas
Mas eles pertencem a outro senhor
Marinheiro, marinheiro
Você desistiu do seu destino?
Você abandonou sua tripulação
Marinheiro, marinheiro
Onde será seu enterro?
Porque você está morto afinal
Marinheiro, marinheiro
Se eu disser que te odeio
Pois você abandonou sua tripulação?
Marinheiro, marinheiro
Você me responderia
Se eu dissesse que te odeio?
Marinheiro, marinheiro
Se você está morto afinal
Porque eu sou um fantasma?
Marinheiro, marinheiro
Onde seu coração está?
Porque eu não quero mais sofrer
Marinheiro, marinheiro
Quem é você afinal?
Porque eu sou um espectro de quem você foi
Marinheiro, marinheiro
Se eu matar meus companheiros
E abandonar a tripulação
Marinheiro, marinheiro
Eu vou ser livre do desespero?
A escuridão vai me abandonar?
Marinheiro, marinheiro
Por que eu sou tão triste
Se sou um fantasma solitário?
Marinheiro, marinheiro
Eles dizem que você é o pior
Aquele que nunca deveria ter existido
Marinheiro, marinheiro
O que isso diz sobre mim?
Se você, afinal, não tivesse nascido
Como eu poderia estar aqui?
Marinheiro, marinheiro
Se você recuperar sua âncora e seu atlas
Se você recuperar sua tripulação
Você me aceita?
Marinheiro, marinheiro
Se você estiver vivo afinal
Você me empresta seu nome?
Porque eu estou cansado de sofrer
Marinheiro, marinheiro
Se eu for seu herdeiro
Você me deixa navegar naquele velho barco?
Marinheiro, marinheiro
Você me deixa ser a própria morte?
Porque eu não quero mais sofrer.
Marinheiro, marinheiro
Você permite que eu seja apenas um fantasma
Vagando sem rumo pela escuridão?
Marinheiro, marinheiro
Você permite que eu me mate
Para não fazer mais ninguém sofrer?
Marinheiro, marinheiro
Por que tudo mudou?
Era mais fácil quando todos éramos sonhadores
Marinheiro, marinheiro
Eu quero ser novamente um marinheiro
Para que eu sinta o cheiro de casa
Marinheiro, marinheiro
Se eu não sou mais marinheiro
Eu posso abandonar o barco?
Marinheiro, marinheiro
Eu quero abraçar o mar
Marinheiro, marinheiro
Eu quero sangrar com o mar.
Marinheiro, marinheiro
Eu quero entender por inteiro
Por que eu deixei de ser marinheiro
Marinheiro marinheiro
Eu vou virar seu companheiro
Vamos estar mortos afinal.
Parte de uma história e meio que um desabafo também.
Escrito em 08/11/16, numa viagem de ônibus intermunicipal, de manhã bem cedo.
Série "Marinheiro, marinheiro".

("Sailor, sailor")
Serafeim Blazej Dec 2016
Marinheiro, marinheiro
Você sente o chão cedendo aos seus pés?
Marinheiro, marinheiro
Você sente a fome da escuridão por você?
Marinheiro, marinheiro
Você sente seu coração quebrar e sangrar?
Marinheiro, marinheiro
Você sente as mortes que causou?
Marinheiro, marinheiro
Você sente o desespero engoli-lo?
Marinheiro, marinheiro
Você sente a própria morte?
Série "Marinheiro, marinheiro"
Escrito em 08/11/16.

("Sailor, sailor, do you feel you?")
Dec 2016 · 2.3k
Sailor, sailor, do you feel?
Serafeim Blazej Dec 2016
Sailor, sailor
Do you feel the smell?
Death has come after all

Sailor, sailor
Do you feel the fear?
Your companions are gone after all

Sailor, sailor
Do you feel the weight?
The darkness embraced you after all

Sailor, sailor
Do you feel the despair?
You broke after all

Sailor, sailor
Do you feel the forest?
It was there that you died

Sailor, sailor
Do you feel the sea?
It is where you will never go again

Sailor, sailor
If you are the death itself
Why are you dead after all?
Poem and song (as always).
It was part of a story (as always).

("Marinheiro, marinheiro, você sente?")

Translated on 03/12/16.
Edited on 28/12/17.
Serafeim Blazej Dec 2016
Marinheiro, marinheiro
Você sente o cheiro?
A morte chegou afinal

Marinheiro, marinheiro
Você sente o medo?
Seus companheiros se foram afinal

Marinheiro, marinheiro
Você sente o peso?
A escuridão abraçou você afinal

Marinheiro, marinheiro
Você sente o desespero?
Você quebrou afinal

Marinheiro, marinheiro
Você sente a floresta?
Foi lá que você morreu

Marinheiro, marinheiro
Você sente o mar?
É onde você nunca mais irá

Marinheiro, marinheiro
Se você é a própria morte
Por que você está morto afinal?
Poema e canção (como sempre).
Era parte de uma história (como sempre).

("Sailor, sailor, do you feel?")

Escrito em 08/11/16.
Sep 2016 · 1.6k
castle of hard cards
Serafeim Blazej Sep 2016
and we live in our castle of hard cards
and they will not fall
we will never be defeated
because we live in a castle of hard cards
Edited on 28/12/17.
Sep 2016 · 581
House of Cards (part)
Serafeim Blazej Sep 2016
we will break off the glass roof
and we will be able to live in the house of cards
we will never fall
we will never be defeated
the wind will come from us
we survived to never lose our home again
in the end, we will be the only ones still standing
the only victorious
after a long way, we will rediscover our house of cards
Excerpt for a drawing.

Edited on 28/12/17.
Sep 2016 · 1.4k
burning
Serafeim Blazej Sep 2016
the ghosts run faster
but she said burn the memories
and now she's just ashes

we're embers yet
but the bonfire is dying
as our seconds
It was part of a story.
Sep 2016 · 429
Untitled
Serafeim Blazej Sep 2016
"What I'm doing"
lowest in the power
biggest in the fear

"O que eu estou fazendo"
menor no poder
maior no medo
Sep 2016 · 412
Pássaros Desajeitados
Serafeim Blazej Sep 2016
nós somos pássaros desajeitados
e pássaros desajeitados têm que começar a voar cedo
como diz o ditado chinês

estamos no chão
cercados pelas folhas e pelos predadores
nós fomos derrubados do ninho
ninguém se importa
mas não vamos ficar aqui
vamos voar mais e mais alto
e muito, muito distante

nós somos pássaros desajeitados
e nós sempre voamos ao amanhecer
para que ninguém possa nos ver cair
e se isso acontecer
que eles vejam que estamos dando o nosso melhor

e o chão está ficando mais distante
e o céu mais perto
e podemos tocar as nuvens
e não vamos voltar
porque nós somos pássaros desajeitados
e pássaros desajeitados têm que começar a voar cedo
como diz o ditado chinês

vocês viram, irmãos e irmãs?
nós somos os pássaros desajeitados
e nós estamos voando
Poema e canção.
Era parte de uma história.
Inspirado no ditado chinês citado.

("Clumsy Birds")
Sep 2016 · 902
Clumsy Birds
Serafeim Blazej Sep 2016
we are clumsy birds
and clumsy birds have to start flying early
as the Chinese saying says

we are on the ground
surrounded by leaves and predators
we went overturned out of the nest
nobody cares
but we will not stay here
we will fly higher and higher
and far, far away

we are clumsy birds
and we always fly at dawn
so that no one can see us falling
and if that happens
that they see we are giving our best

and the ground is getting farther
and the sky closer
and we can touch the clouds
and we will not return
because we are clumsy birds
and clumsy birds have to start flying early
as the Chinese saying says

you saw, brothers and sisters?
we are clumsy birds
and we are flying
Poem and song.
It was part of a story.
Inspired by the Chinese saying cited.

("Pássaros Desajeitados")

Edited on 28/12/17.
Serafeim Blazej Sep 2016
Cinzas permanecem. Por isso somos abençoados nas cinzas após todo o fogo se extinguir. O fogo não dura. As cinzas sim. Mesmo se são levadas pelo vento, lavadas pela água ou enterradas na terra. Até mesmo se são postas no fogo novamente. Elas sempre permanecem, não importa o quê.
Fala (discurso).
Era parte de uma história.

("ashes remain/so we are blessed")
Serafeim Blazej Sep 2016
Ashes remain. So we are blessed in the ashes after all the fire is extinguished. The fire does not last. The ashes do. Even if they are carried by the wind, washed by water or buried in the ground. Even if they are put on fire again. They always remain, no matter what.
Speech.
It was part of a story.

Edited on 28/12/17.
("cinzas permanecem/por isso nós somos abençoados")
Serafeim Blazej Sep 2016
they were little princes
tied with ropes
suspended like marionettes
linked to the will of the sorcerer
they were birds with clipped wings
so they could not fly
never go back to home
Poem.
Inspired by "Ribbon" and "Butterfly" of BEAST (korean group).

Edited on 28/12/17.
("ils étaient petits princes marionnettes")
Serafeim Blazej Sep 2016
ils étaient petits princes
attaché par des cordes
suspendus comme des marionnettes
lié à la volonté des sorcier
ils étaient des oiseaux avec des ailes rognées
de sorte qu'ils ne pouvaient pas voler
de ne jamais rentrer chez eux
Poem.
Inspired by "Ribbon" and "Butterfly" of BEAST (korean group).

("They were little princes marionettes")
Sep 2016 · 886
Narcissus and Drinick
Serafeim Blazej Sep 2016
My mother always told me the same story
How Narcissus broke Drinick
Because love is not always enough
Sometimes it only causes pain

Narcissus was the first love of Drinick
The first true passion
Drinick was the only friend of Narcissus
During long summers and all the rest of the time

Narcissus never cried
Nor when he felt pain
Drinick never disbelieved
Nor when he reached the bottom

Then Narcissus broke Drinick
In such small pieces
That no one would be able to fix he
And no one ever fixed

My mother always told me the same story
How Narcissus broke Drinick
Because love is not always enough
Sometimes it only causes pain

Narcissus was gone and never returned
Drinick stayed and never ran again
The story of the two died
On the day that Narcissus broke

My mother always told me
Never be like Narcissus
He lost everything he had
And never be like Drinick
That was left with nothing

My mother always told me the same story
How Narcissus broke Drinick
Because love is not always enough
Sometimes it only causes pain

I've been Narcissus
And I've had my Drinick
But the history repeated
My mother always told me

When Narcissus broke Drinick
A young moon hung in the sky
That night the stars did not appear
And they all went out of the eyes of both
Poem.
Story and song as well.
It was part of a story and it's about two important characters of it.

("Narcissus e Drinick")

Edited on 28.12.17
Sep 2016 · 1.3k
Narcissus e Drinick
Serafeim Blazej Sep 2016
Minha mãe sempre me contou a mesma história
De como Narcissus quebrou Drinick
Porque nem sempre o amor é suficiente
Ás vezes ele só causa dor

Narcissus foi o primeiro amor de Drinick
A primeira verdadeira paixão
Drinick foi o único amigo de Narcissus
Durante longos verões e todo o resto do tempo

Narcissus nunca chorou
Nem quando sentiu dor
Drinick nunca desacreditou
Nem quando chegou ao fundo do poço

Então Narcissus quebrou Drinick
Em pedaços tão pequenos
Que ninguém seria capaz de consertá-lo
E ninguém nunca consertou

Minha mãe sempre me contou a mesma história
De como Narcissus quebrou Drinick
Porque nem sempre o amor é suficiente
Ás vezes ele só causa dor

Narcissus se foi e nunca mais voltou
Drinick ficou e nunca mais correu
A história dos dois morreu
No dia em que Narcissus quebrou

Minha mãe sempre me disse
Nunca seja como Narcissus
Que perdeu tudo o que tinha
E nunca seja como Drinick
Que foi deixado sem nada

Minha mãe sempre me contou a mesma história
De como Narcissus quebrou Drinick
Porque nem sempre o amor é suficiente
Ás vezes ele só causa dor

Eu já fui Narcissus
E já tive meu Drinick
Mas a história se repetiu
Minha mãe sempre me disse

Quando Narcissus quebrou Drinick
Uma jovem lua pairava no céu
Naquela noite as estrelas não apareceram
E todas elas se apagaram do olhar de ambos
Poema.
História e canção também.
Fazia parte de uma história e é sobre dois personagens importantes dela.

("Narcissus and Drinick")
Sep 2016 · 462
The nightingale will sing
Serafeim Blazej Sep 2016
The night is coming
and the birds are flying,
they will sleep
and we will watch
at sunset
inside the lighthouse.

The nightingale will sing
when the moon comes
and then you will hear
a lullaby to sleep
and have beautiful dreams
all of them laughing.

The night is coming
and the birds are flying,
they will fall asleep
and at dawn
everyone will wake up
and then fly.

And we will wake up
after dreaming all night,
smiling for the birds,
these are rare moments,
at daybreak
full of euphoria.
Poem.
It was to be a kind of lullaby.
It was part of a story.

("O rouxinol vai cantar")

Edited on 28/12/17.
Sep 2016 · 448
O rouxinol vai cantar
Serafeim Blazej Sep 2016
A noite está chegando
e os pássaros estão voando,
eles vão dormir
e nós iremos assistir
ao pôr do sol
de dentro do farol.

O rouxinol vai cantar
quando a lua chegar
e então você irá ouvir
uma canção de ninar para dormir
e terá belos sonhos
todos eles risonhos.

A noite está chegando
e os pássaros estão voando,
eles vão adormecer
e ao amanhecer
todos irão acordar
e então voar.

E nós iremos acordar
após toda a noite sonhar
sorrindo para os pássaros,
são momentos raros,
ao raiar do dia
cheios de euforia.
Poema.
Era para ser uma espécie de canção de ninar.
Fazia parte de uma história.

("The nightingale will sing")
Sep 2016 · 549
Uma vez um garoto
Serafeim Blazej Sep 2016
Uma vez um garoto me disse
"Viva uma história que valha a pena contar"
Eu me apaixonei por esse garoto
E ele desapareceu, levando meu coração
Deixando minha mente lidar com os sentimentos

Por favor garoto
Devolva meu coração
Volte para mim
Devolva meu coração

Uma vez meu amor me disse
Para não esquecer de ser incrível
Para não esquecer de fazer cada dia melhor
Para não planejar o futuro
Mas viver o presente

Por favor garoto
Devolva meu coração
Volte para mim, por favor
Devolva meu coração, eu imploro

Uma vez eu conheci um garoto
Ele era radiante
Ele me amou com toda a sua energia
E eu me apaixonei, mas ele foi embora
E levou tudo de mim
E ele levou meu coração
E só deixou a casca para trás

Por favor garoto
Devolva meu coração
Eu estou de joelhos, implorando
Volte para mim
E devolva meu coração
Pelo nosso velho amor, por favor

Uma vez eu vi um garoto
Nós rimos juntos
Nós nos amamos intensamente
E então ele se foi
Me deixou para trás
E levou meu coração
E nunca mais devolveu

Uma vez eu reencontrei meu garoto
E ele me devolveu meu coração
E me deu também o seu
E desapareceu para sempre
Poema.
Era para ser uma música também.
Fazia parte de uma história.

("Once a boy")
Sep 2016 · 245
Once a boy
Serafeim Blazej Sep 2016
Once a boy told me
"Live a story that's worth telling"
I fell in love with this boy
And he disappeared, taking my heart
Letting my mind deal with the feelings

Please boy
Give me back my heart
Come back to me
Give me back my heart

Once my love told me
To not forget to be awesome
To not forget to make every day better
To not plan the future
But to live in the present

Please boy
Give me back my heart
Come back to me, please
Give my heart, I beg

Once I met a boy
He was radiant
He loved me with all his energy
And I fell in love, but it's gone
And it took all of me
And he took my heart
And left only the shell back

Please boy
Give me back my heart
I'm on my knees, begging
Come back to me
And give my heart
For our old love, please

Once I saw a boy
We laugh together
We love each other intensely
And then he was gone
I left behind
And he took my heart
And he never returned

Once I rediscovered my boy
And he gave me back my heart
And also gave me his
And gone forever
Poem.
It was to be a song too.
It was part of a story.

("Uma vez um garoto")

Edited on 28/12/17.
Sep 2016 · 243
Young Boy
Serafeim Blazej Sep 2016
Between sweetbriers and honeysuckles
He dances until dawn
Smiling at the sun when it arises.

Between lilacs and eglantines
He sings to the moon
When the night comes.

So pure, it's your nature.
Young boy
Never ceases to be yourself.

With a spirit of stallion
His essence is serenity
And he is a force of nature.

Like a little prince,
He is a young boy of royalty
And I'm merely his servant.

So pure, it's your nature.
Young boy
Never ceases to be yourself.

Between sweetbriers and honeysuckles
He dances 'till he drops
Just to brighten the clouds.

Between lilacs and eglantines
He sings to the stars
While the night goes away.

So pure, it's your nature.
Young boy
Never ceases to be yourself.

So pure, it's your nature.
Young boy
Never ceases to be yourself.
One of my first poems / songs.
It was to be a song.
It was part of a story.

Edited on 28.12.17.

— The End —