Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
S Margot Sep 2018
Nunca se sabe
que nos vamos a encontrar
en las profundidades del mar.
Cuando arde
en el fondo de nuestra alma,
un deseo de hallar
lo que no sale de nuestro pensar,
ese es el momento
en que debemos parar
esa búsqueda
de algo que,
si se rastrea,
nunca podremos encontrar.
Justo en ese instante,
en que por fin paramos de buscar,
llegará a nosotros
lo que siempre se quiso alcanzar;
por aquellas dichas,
profundidades del mar.
Samir Koosah Aug 2018
A noite chega, soturna, calada. Os remédios parecem não fazer efeito. Sozinho novamente com meus pensamentos, embalado pelo som do ventilador e das batidas do meu coração.
Nao sei porque ele insiste em bater, parece um esforço inútil.
As horas passam lentamente, como nos movimentos de uma duna. A areia do tempo descendo vagarosamente pela ampulheta. Se ao menos pudesse ver. Me sinto cego, queria eu estar cego?
Minha decepção só não é maior que a decepção que causei.
Não há lugar aqui senão neste papel para a dor, uma fraqueza que todos tentam esconder - por questão de sobrevivência provavelmente. Os amigos poucos que me restam seguem suas vidas enquanto tento ser feliz, ao menos por eles.
Saudade aqui toma outras formas, como uma tortura ao melhor estilo Stanley
Kubrick em “Laranja Mecânica”, em que as imagens passam repetidamente por minha cabeça sem que eu possa fazer absolutamente nada.
Família, amigos, amores, à distância de uma chamada, uma chamada. Para quem ligar, como?
O cárcere em sua pior faceta, o isolamento social. Conto nos dedos de uma mão as pessoas com quem consigo manter uma conversa. Mesmo assim nao consigo conversar, a cabeça e o coracao nao estao aqui, eles fugiram, estão lá fora, espero que a minha espera.
Outro cigarro, mais um café. Quantos mais, quantas mais palavras? A caneta e o papel são meus melhores amigos, às vezes até me entendem. Monólogos em horas, diálogos em outras.
Me pergunto qual seria o limite entre a sanidade e a demência aqui. Se é que existe um, estou eu ficando são ou louco?
Nao era quando cheguei, provavelmente foi o que me trouxe aqui, agora só me resta um caminho a seguir e tenho que achá-lo sozinho.
Não tenho arrependimentos, aqui não há lugar para eles, há agora um só caminho a seguir, em frente! Adiante!
mikumiku Apr 2018
When we **** I shout: s. o. s. la vida
‘Cause our bed is more like a corrida
But when I stare at my ring with a pearl
I ask myself again, am I that girl?
When I take Mexican tic tacs with Corey
I feel like Christ is sending me that glory
But when I’m on the ground and start to curl
I whisper to myself, am I that girl?
And when I’m dancing ******* on a bar
I feel like killer **** movie star
I finish twenty lemon drops and swirl
While crying to myself, am I that girl?!
SoVi Apr 2018
Winter, Summer, creating together

When the cold comes, it covers the world
Create an illusion of peace in the background
The world is silent, trapped in silence
Heartbeats are much stronger

When she crawls from mountain halls
She brings a wind of heat warming with her love

She is everything that is good and cheerful
Everything that dies has hope
Everything that is revived has hope
From the passions of the mountains

Winter, Summer, converging together

When the winter leaves she cries
Rain of ice to feel his embrace
When he is not seen she creates flowers
White color to imagine that he is here

He lets himself die so she can live a calm life
He lets himself be consumed by hatred so that she has love
Loves that you never see, but feel the compassion and faith

When everything is done, they hide in the mountains
In vivid images, memory fading
Untouchable entities without limits, but weak spirits
The world develops from them but they leave it separated

Winter, Summer, diverging



© Sofia Villagrana 2018
Inspired by the anime Zankyou no Terror's insert song Von by Arnor Dan. English version of Lamento del Naturaleza.
Me imagino la miseria
que sería mi vida
sin la misteriosa libertad
de cada día. Digo sí
a la incertidumbre,
y gracias a mis lágrimas,
pués por muy dolorosas
que hayan sido las vivencias,
me mantienen alejado
del peor pecado,
que es la somnolencia.
Elena Ramos Jan 2017
Cuando daba por perdido todo, entonces me encontre con la luz. No tuve miedo por un momento ya que todo el dolor que sufria habia desaparecido. Era entonces que descubri que habia muerto. Mi enfermedad me agarro por sorpresa al igual que todos. No dio tiempo ni de un solo suspiro para darnos cuenta que habia terminado sin antes haber comenzado. Fue una batalla donde yo no tuve lugar alguno. Mi cuerpo era un extraño que atormentaba mi alma y ganas de vivir. Esa luz era el tunel de mi salida. Al darme cuenta, algo tarde, habia desalojado mi cuerpo. Fue entonces que habia muerto, pero mi alma estaba perdida en un infinito sin entrada ni salida. Sometida a una tortura toda mi vida y en un abrir y cerrar de ojos se esfumo. La luz brillaba tanto que penetraba hasta mis pensamientos. Luego de un rato, el camino se volvio algo magico, ya no tenia miedo y solo pensaba en lo hermoso que era. Mi cara era hermosa sin signos de tristeza o dolor que algun dia vivieron en mi. Entonces ahi deje mi cuerpo y mi alma floto hasta lo mas alto donde era libre y lo mejor era que podia ver lo que yo quisiera. Busque a mi madre y trate de abrazarla, ella no me sentia pero le susurre al oído que la amaba. Para mí sorpresa ella sonrió. Abandoné ese escenario y me fui al jardín mas bello donde veia peces nadar y flores de todo tipo. Poco  a poco me desvanecia hasta que mi persona desaparecio y fue ahi donde algun dia existi y todo lo que vi fue real pero me llevaba un recuerdo que espero no perder donde sea que este.
Victor Marques Jan 2017
O homem  na ilusão de sonhos alcançar,
Eu me deleito com a magia do luar.
Vivemos sim, aprendemos não,  
Pedaços de amor e solidão.

O Deus eterno sentado no seu infinito altar,
Eu me esqueço de criancinhas embalar.
Vivemos sim , aprendemos não,  
Gritos e gemidos que muitos dão .

Seres humanos maltratados, mutilados,
São todos mal amados.
Vivemos sim, aprendemos não,
Refugiados do mundo e de sua religião.

O universo grato e sempre muito preciso,
O verdadeiro Deus esta com ele e comigo.
Vivemos sim, aprendemos não,
Temos um mundo oco e vão .

Victor Marques
viver , aprender
Tree Dec 2016
En un mundo de cristal que no puede ser roto,
Monstruos muestran amor y
el heroe consigue enfermo.
El mundo al reves y
comio un arco de iris,
El predicador pidió por una Dos Equis.
Fui buscando por algo que
no puedo recordar,
Pero yo se que es algo que
nunca yo he visto.
En mi camino un hombre viejo
me detuvo,
y dijo,
HIJO. Ven conmigo!
Asi, yo fui.
Todavia no puedo recordar,
Algo sobre los duraznos en las playas,
o tal vez eran papayas,
Pero nos encontramos un fuego
que nos mantuvo frio.
Durante el noche el sol
herido mis ojos,
y a la vez yo recordé todo
que yo sabe.
In a world made of glass that cannot be broken. Un universo paradojico
Next page