Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
O que tenho passado
E o que tenho vivido
Não dá pra saber

Não serão esses versos
Que irão te dizer

Nem o feed perfeito
Nem a conversa na rua
Poderão expressar

As coisas que sinto
O que eu tenho vivido
É tudo tão subjetivo

Não há nada de poético
No simples cotidiano
No adiar o viver
E apenas sobreviver

Idealizando que um dia
Quem sabe eu poderia
Ter a vida perfeita
Com a família perfeita

As mensagens perfeitas
Pra responder

É tudo subjetivo

No abismo da poesia
Eu hei de me perder

E quem dera que por um dia
Eu pare com toda essa agonia

E aprenda apenas a ser
Song*

Verse 1:

Don't tell me that
You miss me
Darling

Don't you know
I feel enough
As Is

Don't tell me that
You're broke and
Starving

You know that I
Can't handle all
Of This

Bridge:

Don't share with me
Your pain
I can't take
It all
Away

You know I'm
Not as strong as
I was in my
Golden age

I can't fix
Your broken parts
Or soothe your
Aching heart

I am the only one
That I should
Try and save

Chorus:
ooooo
I still miss you too
But I am
Not
What I was
Before

ooooo
I can't lift you up
While I am
Lying On the
Floor

OoOoO
I still hold
Out hope I'll
Be Back
Someday

OoOoO
I'll show up
And make it
All OK

But Not
Today
;


Don't tell me that
You're broke and
Starving
Unfinished song...
Felt strongly today...
Andaluciaa May 23
Mi vista es distinta. Es muy triste y contamina. Me siento cada vez menos viva, derrotada y confundida. Sin saber que hacer, no logro entender aunque aqui todo esta muy bien. Mi mente no deja de correr. Mi mente necesita de calma. Mi mundo siente que se va acabar por que esto ataca. La vida es un proceso. Cada quien construyendo su reto y al mismo tiempo uno siente rincones inciertos. Miro al cielo, pido al mundo repuestas a esto que me esta comiendo. Pero debo escarbar mis adentros. Quiero ser fuerte no dejar de competir.  Esta lucha es solo contra mi. Me siento cansada pero se que lo voy a lograr.
MicMag Feb 18
"Nunca te canse de reírse?"
Me preguntó la chica

"Pues no estás de acuerdo
Que riendo con fuerza
La vida es mucho más rica?"
Espero fomentar la alegría en un mundo lleno de problemas, así que esta pregunta me hizo feliz, saber que mis sonrisas y risas no pasan desapercibidas.

-----

"Don't you ever get tired of laughing?"
A young girl asked me

"Well don't you agree
That laughing wholeheartedly
Can make us all feel happy?"

It's my hope to spread joy in a world full of problems, so her question made me happy, to know that my smiles and laughter don't go unnoticed.
Gil Cardoso Feb 11
Sol queima a minha pele
Inicialmente
É agradavel
Depois, é dor

Como bolo doce que vou comer
Efeito da gulosia
Afoga o meu saber
Para mais tarde me aperceber
Que foi demasia
Aí puderei me arrepender

E então pergunto, qual é real?
Qual sigo nisto tudo
O presente ou o futuro?

Dizem-me “Carpe Diem!”
Então deixem-me comer bolo
Deixem-me queimar ao sol
Deixem-me viver a vida tolo

Depois dizem, “sê comedido”
“Tudo com moderação”
Então vivo o futuro agora
Não sigo prazer
Fujo à dor
Sempre a atrasar
A minha fatalidade

Eu sei lá

Mas enquanto escrevia isto
O sol fez o seu capricho
Tenho o poema terminado
E o meu braço queimado
Escrito: Maio 2018
S Margot Sep 2018
Aveces,
igual que el viento,
las personas fluimos,
sentimos, y cambiamos.
Hay brisas fuertes,
parecidas a momentos impactantes
en los cuales logramos desviarnos
del camino que preferimos.
Pero después de chocar
con algo que nos devuelve el sentido
regresamos al camino
por el cual,
igual que el viento,
aveces seguimos .
S Margot Sep 2018
Nunca se sabe
que nos vamos a encontrar
en las profundidades del mar.
Cuando arde
en el fondo de nuestra alma,
un deseo de hallar
lo que no sale de nuestro pensar,
ese es el momento
en que debemos parar
esa búsqueda
de algo que,
si se rastrea,
nunca podremos encontrar.
Justo en ese instante,
en que por fin paramos de buscar,
llegará a nosotros
lo que siempre se quiso alcanzar;
por aquellas dichas,
profundidades del mar.
Samir Koosah Aug 2018
A noite chega, soturna, calada. Os remédios parecem não fazer efeito. Sozinho novamente com meus pensamentos, embalado pelo som do ventilador e das batidas do meu coração.
Nao sei porque ele insiste em bater, parece um esforço inútil.
As horas passam lentamente, como nos movimentos de uma duna. A areia do tempo descendo vagarosamente pela ampulheta. Se ao menos pudesse ver. Me sinto cego, queria eu estar cego?
Minha decepção só não é maior que a decepção que causei.
Não há lugar aqui senão neste papel para a dor, uma fraqueza que todos tentam esconder - por questão de sobrevivência provavelmente. Os amigos poucos que me restam seguem suas vidas enquanto tento ser feliz, ao menos por eles.
Saudade aqui toma outras formas, como uma tortura ao melhor estilo Stanley
Kubrick em “Laranja Mecânica”, em que as imagens passam repetidamente por minha cabeça sem que eu possa fazer absolutamente nada.
Família, amigos, amores, à distância de uma chamada, uma chamada. Para quem ligar, como?
O cárcere em sua pior faceta, o isolamento social. Conto nos dedos de uma mão as pessoas com quem consigo manter uma conversa. Mesmo assim nao consigo conversar, a cabeça e o coracao nao estao aqui, eles fugiram, estão lá fora, espero que a minha espera.
Outro cigarro, mais um café. Quantos mais, quantas mais palavras? A caneta e o papel são meus melhores amigos, às vezes até me entendem. Monólogos em horas, diálogos em outras.
Me pergunto qual seria o limite entre a sanidade e a demência aqui. Se é que existe um, estou eu ficando são ou louco?
Nao era quando cheguei, provavelmente foi o que me trouxe aqui, agora só me resta um caminho a seguir e tenho que achá-lo sozinho.
Não tenho arrependimentos, aqui não há lugar para eles, há agora um só caminho a seguir, em frente! Adiante!
Next page