Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
basil Feb 6
your mother tongue never needed to distinguish between
house and home
i miss you every day, maria </3
basil Feb 1
i watched your hair grey
before i learned your mother tongue

you were filled with all the warmth of the brazilian sun
but i can't form the words to tell you that

eu espero que vocé me perdoe
my stupid keyboard put the wrong accent over the e in 'voce' which is ironic. it would be funny if i wasn't so sad.

i miss you, maria </3
rig Jan 23
roots earth water
own compartment
paged meals
visible deities
ressilences fire air
tongue to unmute
wordless dialogues
(translated from my original portuguese "faltas", which is a 7-square)
Epiphylllum Apr 2020
A noite sussurra seu lânguido canto entremeado pelos gritos agora abafados pela distância.

Arquejo enquanto caminho pelas fétidas ruas decoradas com cadáveres em decomposição, festa de vermes e aves carniceiras;

O tintilar dos vitrais anuncia a chegada da morte. Sua foice esbarra no delicado vidro das igrejas formando uma melodia fúnebre que gela meus ossos e consome minha mente.

Quantas vezes implorei de joelhos como um fraco para que me levasse junto, quantas vezes matei para saciar minha sede doentia; esperando, desejando que o castigo do Deus de que falam recaísse sobre minha existência amaldiçoada e retirasse de mim a não-vida eterna.

O gosto quente do sangue ainda pulsa em minha boca

Repulsa.
Arold Apr 2020
Ele é confusão
Inesperado como a chuva no Verão
Turbulento e confuso

Ouve-me de noite
Adormece de dia
Discorda dos meus princípios
É terramoto na minha personalidade

Ele é diferente
Por ser igual a tudo aquilo que procuro
Agita-me até água transbordar
Toca-me violentamente
E ainda me sinto virgem

Diálogos viram ausência
Abraços viram respirações suspensas
Memórias viram mensagens espaçadas

Ele é banho de água fria
Café queimado
Areia branca que queima
É desnecessário
Mas inevitável
A efêmera existência
No tênue fio entre a vida e a morte
Busca a razão na essência
Chega ao fim sem entender a sorte

A mais simples dúvida
No mais complexo ser
Se ainda resta muita vida
O que temos que escolher?

Se é tão fácil resistir
Onde estão os que sobraram?
Se todas as portas vão se abrir
Quantas já se fecharam?

Mas viver é tão bonito
Que não há quem resista
Mesmo encarando o risco
Mesmo quando não há terra à vista
Next page