Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
Oct 2015
Marcas de uma noite escura
E uma perspectiva ferida
Pela agulhas de minha frieza
Chegaram a você

E a face que foi me dada
Está jogada em alguma esquina
Com impressões de olhares inferiores
Como faces de um bloco de notas

Eu vou me virando
Vou me virando

Essas alternâncias de oportunidades
São as ultimas coisas que eu queria ver
E com um grito sufocante eu admito

Eu sempre errei
Eu errei

E essa dor despertante
É uma especie de verdade que muda totalmente o caráter
Me fez perceber as paredes se erguendo
No único objetivo que eu foquei

Todas essas maneiras autodestrutivas
Todas essas inclinações para o fundo do poço

E agora eu sei, elas tem justificativas
E eu sei

Acusado de assassinatos impiedosos
Mas não sou que sou "um com a dor"
Que fui forçado a parar na beira da estrada
Porque é de lá que vim
E é para lá que sempre voltarei

Mas,  meu deus
Lá é tão distante
E parece que acidentes agora ocorrem por lá
E todos os outros lugares
São cheios e me sufocam
Me sufocam

E eu sou tão inútil que a unica coisa que consigo pensar
É em uma mudança dos tecidos dos tempo
É eu sei
Sou um inútil

E agora sinto como se minha face
Não tivesse nenhuma ligação com os meus pés
E o meu corpo agora fica
Rolando em coisas que não eu não consigo acreditar

Mas eu tentei
Eu realmente tentei
Você sabe que eu tentei
Realmente tentei
Expo 86'
Written by
Expo 86'  I dont live
(I dont live)   
715
 
Please log in to view and add comments on poems