Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
Gil Cardoso Feb 11
Odeio ver o fim da estrada
Fixo apenas esse ponto
Não vejo nada
É ainda não estou pronto

Olho para a paisagem
Finjo-me distraído
Admiro das aves a plumagem
Dos grilos o ruído

Mas vivo no futuro
Sempre no futuro
Já sabe a podre
O fruto maduro

Sofro com o que ainda não aconteceu
E mesmo o que nunca acontecerá
Quando acontece já não é meu
E quando não, penso no que virá

Então aparece outra estrada
Mas a mesma dor em mim
Mudou a morada
Mas fixo o mesmo fim
Escrito: 28/05/2018
Fernanda Savaris Dec 2015
Do vazio é que tens medo.

E da pedra que cai e ecoa
num mundo cheio de nadas, salas vazias
onde uma vez já habitou uma alma quase bem amada.

É isso que te aperreia
que aperta, te sufoca,
tanto espaço
pra tanta falta.

Sabes da aflição
de não ter pra onde correr
quando estiver assustada
com medo, ansiosa,

Então tentes buscar um sentido
e entender
que isso só se deu
porque tentastes apalpar
e sentir, e apreciar
aquilo que não é real,
que não aquece, não preenche

E a alma sente

E você

Vazia.

— The End —