Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
 
Ana Jul 3
liberta-me do nosso imenso abandono
rasgaste-me ao meio
para que exista tristeza em todos os lugares onde não estamos
onde não existe revolução quando os nossos lábios se tocam
não consegues ser sóbrio
e por isso não conseguimos ser
tu grita o meu nome
arde
o teu cheiro
a única coisa onde não existe dor
nós em todo o lado
de todas as formas
e eu sem ti inteira
regressas e sinto calor
o mesmo calor de quando chegaste pela primeira vez
e será sempre assim quando apareceres
querer-te-ei calada
sozinha
mas a ti magoa-te saber que serei sempre eu
o sol que te alumbra a noite
Mar 2 · 86
Untitled
Ana Mar 2
possuir-te mais que todos
por não te ter
mas ter tudo o que fomos
na calada
tenho-te
quero-te
porque te relembro
e vejo-te no sol que me aquece
e na água que nos fluiu
feliz
exausta
Jan 26 · 47
Untitled
Ana Jan 26
vi-te ser
água que fluiu no nosso corpo
fui um anjo
recordas?
viste-me ser porque me beijaste
antes de quereres ver o sol
contámos o que cruzava o céu
oito
o mês
vi-te ser quando em mim morreu uma parte
quando de facto tinha morrido alguém
e eu não fui mais
como ser quando alguém não existe mais?
como continuar com uma chamada por atender?
vejo-te ser todos os dias
porque ressurgi por tua causa
porque é radiante e feliz o que somos
somos tudo
e eu sou grata
Jan 16 · 41
chagas na alma
Ana Jan 16
tantos golpes
marcas
feridas
e medo
tanto medo
quero respostas
quero tantas respostas
salvem-me
salvem-se
salva-te
estavas lúcido
eu tremo
tu mudas?
cala-te
calo-me
não choro
nem quero que chores
quero que renasças
em mim e em ti
sou um corpo
sou
sinto
fecho os olhos
apontas-me uma arma
a tua voz
os teus gestos
sobrevivo
chagas na alma
deixo-te
mas quero que voltes
que renasças
Sep 2018 · 77
Da janela do meu mundo
Ana Sep 2018
Da janela do meu mundo
Poderia dizer que a vista é sôfrega
E deprimente,
Prédios que escondem as árvores,
Fábricas que me cegam as estrelas
E lixo que voa pelas ruas
Onde passam pessoas vazias,
Mas estaria a ser injusta,
Injusta para com a Lua
E com a luz que jarra neste rio.
Quando os meus olhos caem
Sob ela são conquistaos,
E esqueço o mundo
E os meus deveres,
Esqueço as árvores escondidas
Pelos prédios,
As fábricas que me cegam as estrelas
E o lixo que voas por estas ruas
Onde passam pessoas vazias.
Hipnotiza-me e o tempo para,
Só de olhar para uma das luas
Incorporadas na imensidão deste Universo,
O tempo para,
O tempo para e eu sou feliz
Por poder-me juntar a ela
Cada noite do resto da minha vida.
pp
Sep 2018 · 164
Resta-me poesia
Ana Sep 2018
Resta-me poesia,
Para tudo o que faço
Resta-me poesia.

Poesia eterna.
Eterna, eterna, eterna.
Oh eterna que me deixas tudo Eterno!
Toda a minha vida eternizada,
Menos eu.

Se for a minha vida eterna, Também eu sou.
Não me vale de nada viver sem Deixar poesia,
Na verdade só viverei se a Deixar...
Que eu esteja morta mas viva Com ela!

Poesia a minha
Que sem ela
Pobre morreria.
Sep 2018 · 76
o medo que partas
Ana Sep 2018
o medo que partas
enleou-se a mim
ter que me despedir das constelações
formadas pelos teus sinais
e passar a olhar  um céu vazio
é o medo de te deixar partir
a noite cair
e eu morrer de insónias
esforçar-me para te chamar outra vez
sem que voltes
mas que continues eterno em mim
Ana Sep 2018
serei eu uma aberração?
ou dominam-me por ser deslumbrante?

preso nos ruídos que me parecem livres
mas que não o meu
preso no instinto da minha pobre existência
preso com as minhas próprias cores
mas nunca com a cor do céu
porque essa nunca vi

olhem-me a alma
e vejam a angústia e o desespero
que aqui se encontram
vejam o saber que posso mais
mas que não me foi digno

as minhas asas foram trocadas
por ganância e exibicionismo

tenham empatia e  voem vocês
para um dia me deixarem voar a mim

a voz de um pássaro numa gaiola

— The End —