Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
 
Juliet R Mar 21
cada palavra antiga que leio
cada emoção que remexo
relembra toda a dor empacotada
naquele conjunto de palavras sentido
aquele sabor de amargura na boca
aquela sensação de cegueira
sem conseguir respirar
sem conseguir ser aquilo que realmente era
com vontade de rasgar-me a pele
vontade me trancar longe do mundo
de nunca mais cantar a dor do peito
e não voltar a ter que querer.

esta crueldade que é amar
esta rudez que é sentir a intensidade de mil mares
apenas rompe o mundo inteiro de dentro de mim
apenas salta para fora um coração remendado

durante anos que vou lavando a alma
de toda a dor sentida,
de todos as vezes que me partiram mais um pouco,
de todos os cacos que tive de apanhar,
de todas as lágrimas.

de todas as vezes ergui-me
e a esperança ainda se mantêm intacta
ingénua
de que um dia mudará, nem que seja temporariamente
que não seja um final doloroso e sombrio
que seja só um virar de página, sem precisar de a rasgar.
Juliet R Nov 2019
Empty minds
Full of shadows
Everything is hollow
Maybe I'll be out of here

Need to feel full
All this emptiness reminds
Of all of your no-shows
You would say you would follow
Even in the darkness
You would follow

You're gone to nowhere
You can't be found
I just wanna know where
I'm falling to the ground
Without your touch
Is that too much?

I want you around me
It's too cold without you
You got me off the floor
Just to leave me right there again

I lost my flow
Why are you not with me?
We saved each other
You only needed me then
Now I'm nothing to you.
Juliet R Oct 2019
The ocean calls my name
I stare at the waves
I feel free of shame

As the foam washes my feet
As it saves
I feel complete

All I can do, my dear heart
Is to keep going
Maybe I will depart

It's oh so unknown
I will be growing
I'll make it on my own.
Juliet R Apr 2015
Sinto a areia entre os meus dedos.
Sinto o cheiro do mar a invadir-me.
Sinto a calma que me transmitem as ondas.

Um dia na praia.
Um dia em que desaparecem os medos
Em que a paz me-os tenta dissuadir
Com as mais puras sensações.

Um dia em que me sinto eu
Sem dar explicação.

Durante os meus dias,
Este é o meu apogeu
O mais alto ponto
O maior clímax
Da felicidade que sinto.

Respiro toda a tranquilidade
Tento que esta fique em mim
E me faça rugir em prol de viver...

Que em vez da sobrevivência
Eu tenha que optar pela vivência
Optar pela respiração voluntária
E não apenas na involuntária por obrigação.

Basta querer.
Arranjar poder.
De me poder mover.
E repor vontades
E liberdades.

Respiração ofegante.
A nostalgia lembra o proibido.
A Saudade amassa e esbofeteia
O ilícito, o ilegal, o que não tem....
A permissão de ser lembrado
Para cá entrar e marca deixar.
Juliet R Feb 2015
A melancolia do ser adormece a intenção de ressuscitar o movimento que nos mantém acordados.
Pertenço à lua com a mente e alma e com os pés à terra.
Não deixo que esta sensação de dormência me levite para outra dimensão, já que para lá vou a toda a hora.
Sinto-me presa a outro universo, sinto-me longe de onde estou.
Estou onde não devia de estar, distância permanente dirigida como um obstáculo intermitente.
Lanço à água a mágoa que aprisiona o coração. A alma quer ir atrás. Relembro-lhe que é a alma, juntamente com a mente, que me faz pertencer à lua. Sem ela não sou nada. Mesmo que escura ou a brilhar, eu não sou nada. A alma faz de mim um todo e com ela sinto-me viva.
O que somos nós sem a nossa essência?
Um vazio gigantesco. Somos um nada desprovido do todo.
Sempre que perder os pedaços do meu espírito em alma, perco pedaços de mim. Mesmo que esta já não seja pura, clara, límpida. Mesmo que já tenha habitado nela a escuridão, a obscuridade, a negridão, o abismo dos meus medos e receios. Sem ela sou um nada.
Purifico a alma. Com o que? Com amor. Amor por tudo o que amo e por todos os que me amam. Sentir-me de coração cheio limpa o *****. Ou pelo menos, ajuda.
De energia clarificada, deixo de novo a mente e a alma na lua e assento os pés na terra.
Juliet R Feb 2015
Conscientemente
Grito de pulmões abertos
Rio de lágrimas corridas
Giro em torno da minha imaginação
Sinto um aperto.

Um aperto de uma mão que já lá não está
Uma mão que lá faz falta
E que que agora está um vazio.
Vazio inconsciente de um ser inexistente
Um ser sonhado e imaginado
Que outrora existia
Ou que ainda existe
A confusão é permanente.

Será que és produto da minha imaginação?
Será que a tua existência fora mesmo real?
Então porque não te encontro?

Sinto-te o teu toque invisível
Saboreio o inexistente.

Peço à minha alma receosa
Que peça permissão à minha mente resistente
Que me elucide
Necessito de lucidez momentânea
Porque apareceste na minha vida de forma irreal
Que tão irreal tu me pareces.
Next page