Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
 
hi da s Dec 2018
um dia eu descobri que te gostava.
um tempo depois descobri que tu me gostava.
meu gostava era fraco e só esqueci
e segui.
não sei quanto a ti, se o fogo que te habitava
era quente como um fogão aceso no verão
ou
um fósforo que se apaga quando queima a madeira no fim.

te visitei muitas vezes aqui dentro e sempre imaginei como seria
se
te beijasse durante o dia
elogiasse teus dentes de sorrisos geométricos
convidasse prum gole de café
tocasse teu ombro bem devagar com a
ponta dos dedos
encontrasse teus olhos perdidos
te fizesse enxergar que existe coisa além
de solidão


fotografei teu corpo seminu
te beijei em noites bebadas
conheci tuas poesias
te segui sem saber
e me deu nó quando soube do teu
coração preenchido

ouço o que ouves agora
e penso em ti com frequência
senti tua falta
e penso que peco porque meu coração também
preencheu

e se só o que fosse pra ser fosse ser só sem ser a gente
notas sobre ela
hi da s Apr 2018
cada véu de fumaça que sopro dessa minha boca
e que se perde no meio do ar
e some.
é só mais uma preocupação dentre outros véus que fogem sobre os dentes e a gengiva
e a garganta
que fica seca porque esquece de engolir saliva
daí o coração bate devagar e vai sossegando aquele palpitar visível no antebraço.
cada vez mais calma.
mais calma.
calma.

agora os olhos semicerrados encaram a tela branca.
um bela cena de enforcamento por causa de amor perdido passa na tela.
isso se chama poesia visual.
há uma representação ali.
a calma.

pegou no sono e perdeu o fim do filme.
hi da s Apr 2018
quinta eu fiz 25
e ainda
meu corpo não parou com as estações
e ainda
continuo a despencar cabelos
e ainda
vou perdendo minha visão
e ainda
a pele vai caindo no chão
e ainda
continuo a morrer mais cada dia.
hi da s Jan 2018
todo dia descubro
que sou a pessoa mais medrosa no mundo de todos.
menos no meu.
hi da s Jan 2018
decidi abandonar o hábito de me privar. me privar das coisas que dizem com os olhos que não sou capaz. que não sei.
mas preciso começar de algum jeito pra daí saber.

então eu cansei de sentir vergonha, vesti meu segundo par de óculos e tratei de começar a escrever.
de qualquer jeito, sem compromisso, só pra tirar o peso que possui um aspecto cimentado, nada leve.
e fui alto. bem alto.
ainda sozinha mas fui alto. comigo mesma.

e antes eu só pintava com os dedos.
decidi então comprar pincéis.
depois parei.
agora desenho com caneta e papel. e se for pra comparar, eu não sei desenhar. mas sei pintar linhas.
e essas linhas me parecem lindas. e eu gosto delas.

e foi assim que eu comecei a fazer meus pedaços de arte.
eles são feios, mas também são lindos.
sobre minhas obras
hi da s Jan 2018
rita lee cantou que mulher é bicho estranho
todo mês sangra.
adélia prato lançou Bagagem.
rupi kaur escreveu sobre amor
e dor em seu corpo.
ijeoma umebinyuo criou versos que ainda não li,
mas que ouvi dizer vão desabrochar lindas
rosas dentro de mim.

àquelas mulheres que inspiram e respiram:
vocês são cada gota do gole de água que
preciso beber pra seguir vivendo.
sobre ser mulher e amá-las também
Next page