Submit your work, meet writers and drop the ads. Become a member
Othon 3d
Nas pálidas terras do desalento
Eu ainda encravo no peito meu triste intento
Sol da amargura no breu sem fundo
Verdade trazida nas chagas de um moribundo
Ventos do destino na aurora negra
Oráculos da razão se desintegra
Orai, orai, ao suplício do impossível
Vestindo a toga da injustiça desprezível
Sentes no coração o templo da agonia
Vertes em meu sangue o marinar da sinestesia
Verdades da mente que levam deuses ao cadafalso
O inferno sustenta o céu de um deus tão falso
Bárbaros do infinito, seres da palavra inaudível
Sorvem de nossa alma putrescível
À sombra de nossas eternas cruzes, o cristo meditabundo
Agoniza a verdade que carregamos deste mundo
Para destronar os pilares do paraíso
Sob a luz e trevas de nosso eterno juízo!
Othon Oct 4
Lua do inferno,
Estrela de mistério,
Dália de minha obsessão,
Leve-me para outra vida,
Além do caldeirão
Os muros do universo caem
Vejo toda essa ilusão ruir
A verdade é um fruto podre em minha mão
Oh, eterna desilusão, sangue de maldição
Deixe o pássaro voar de minhas feridas
Bata as asas em dispersão, dilacere o universo em seu bico
Fantasma do caos,
No teatro de sua danação
Espera no lugar além da razão
Othon Aug 24
Eu criei os caminhos por onde morrem as estrelas
& onde nasceu a flor necrófaga que devora o universo
Luz de teus sonhos fantasma na chuva
Rainha & Rei mortos, reino da desolação e nostalgia
Lúcifer é sombra de outro sonho, cavalgando uma carroça errante para o precipício das frutas podres
Tumbas, castelos & metáforas desmanteladas, o demônio voa
Do alto do infinito eu sou, a luz que faz sombra em todas as verdades
Não há nada que o fogo não queime
Eu sou Shiva & jogo toda verdade no fogo
Eu sou o transgressor, eu sou Krishna, o meu próprio absolvedor
Sou Éris, para discordar de tudo
Sou Zaratustra, para recriar-me eternamente
Todas as deidades residem no meu peito humano
Cítaras das epifanias tocam o som de minha voz inaudível
Os anjos um dia ainda chorarão por mim, clangores inefáveis tocarão o eco da eternidade
O caos & o cosmos inteiros não poderão falar por mim
Inominado, insaciável, à deriva de todas as coisas
O meu sangue ainda gritará quando naufragar no infinito & eu direi a palavra que nunca foi dita, verei o pensamento que nunca foi pensado
& eu quebrarei a imagem do universo como um iconoclasta repleto de liberdade
Mais que o infinito, mais que qualquer deus, o Reino da Descoberta Sem Fim
Onde tudo se cria e tudo se destrói
Othon Aug 15
Há um cemitério em meu coração
Portais para guerras e desolação
Eu estou dançando com o tudo
A bruma infernal cai no abismo de minha alma
A ilusão de meu jardim logo sangra e pega fogo, os monstros escarnecem de mim
Minhas veias estão respirando enxofre, meus algozes me acusam
Estou embriagado em chamas reluzentes
Eu guardei os segredos da existência, nas cinzas de meu eu
Veja os meus pedaços através do seu espelho, Narciso, Deus-satã, estranho carniceiro
Eu ainda caminho sorrindo entre os escombros
Desfeito em cruz, em luz, em poeira de mercúrio
E vento branco, e lamento de dor, com o sol da ironia nos olhos
Santificando o renascimento de meu pesadelo interminável
Coração despedaçado pela lâmina vil de seus raciocínios
Eu renasci de enigmas que você jamais conheceu
Sou o que você jamais viu
Olhe para mim, mais uma vez, e esqueça
Eu sonhei com o impossível para depois contrariá-lo
Nasceu uma flor no meu círculo de fogo
Todos os pensamentos estão dentro de mim guardados em meu caixão
Meu mundo está quebrado, irreparável, você nunca vai poder supor o quanto
Não posso concordar com a porra de tua cabeça
****!!!
Othon Aug 13
Dê uma rosa para meu abutre quando o nada estiver ventando sobre ti
Durma no ninho da inexistência e dance com a noite, sonhe
Sonhe enquanto estiver acordado
Mate o fastasma do infinito, congele o amanhã inalcançável dentro de seu coração
Tudo é tão completo quando não há nada além de mim
E eu sou imperfeito enquanto tenho tudo em mim
Relógio quebrado da existência, dançante ao ritmo de uma imagem torta da eternidade
Mate a morte com outra morte, não exista
Transe com um lírio em cima de um jazigo
Hipnotize a hipnose do senso da discórdia
Não é fácil matar um fantasma que está em todo lugar
Vamos fundar o instituto da auto anulação, e depois destruí-lo
Eu sou uma múmia colhendo girassóis
Preciso dar significado a algo que não existe, eu mesmo
Meu anjo da guarda está embriagado, ele foge de mim
Nada pode me interceder, deus permitiu que os seus demônios arquitetassem meu destino
E eu deverei ser um santo e justo para matar o destino de meu próprio ser
Eu vou embaralhar as suas sentenças, até que elas não tenham sentido
Deus, o louco irá saltar de seus pensamentos, vamos dançar o jogo
Eu sou todas as peças, sou todos os pedaços, sou todas as direções
Sou o personagem auto criado do caos, anti-caos
O céu é um quebra-cabeça sob minha consciência, preciso montá-lo como quiser
Eu tenho o poder do nada em minhas mãos
Enquanto bebo da verdade no cálice dos delírios
Vou criar aquilo que não pode estar subjugado em nenhuma existência
Vou escrevê-lo no livro da eternidade, e darei um jeito de por um fim sem fim
Eu sou o fogo queimando o infinito, desapareço com o fogo, desapareço com as cinzas
Só eu posso estar, só eu posso ver
Voando sobre as asas do impossível, onde eu existo e não existo, para qualquer coisa...
Othon Aug 7
Tu me salvaste num beco sem saída
Mas o beco sem saída nunca saiu de mim
E eu percorri perdido pelas prisões de minha vida
Fitando o sangue das estrelas porvir no pó de cocaína de minha desilusão imperfeita
Estrela ferida no céu ferido, morte vivida
Minúscula verdade de vidro quebrado de meu coração
Sol quebrado igreja ambulante pastor maligno do reino de sua verdade podre
Eu quero voar nas vestes de meu ser colorindo o horizonte do impossível
Foder a musa maligna de meu destino injetar nas veias os espamos de deus
Louco infinito não dito maldito na flor de cinzas de um céu de ponta cabeça avesso ao inverso além ponto final
Eu quero ver o infinito num luar de pedra fumar meu coração num balanço ao precipício
Voar na profecia indefinida da paranoia de um deus louco e ******>Enterrar meu eu na tumba do eterno segredo escondido nas dimensões do caos ser nada nem ninguém e fumar a flor de lótus num monte de sucatas
Repousar no sonho de um gigante enquanto um bruxo mastiga seu coração com a minha vingança nas mãos de meus desejos irrealizáveis
Mastigar todos os raciocínios como um chiclete enquanto pulo por entre abismos
Paraíso vazio cheio de fogo queimando de uma alma inalcançável enquanto o inferno escorre sangue de meu cérebro
Ser carregado em velocidade como vultos dançantes nas sombras do nada e ser a síntese do nada e o contrário da síntese além do contrário
Mutilar a minha contradição encarnada sob a chuva da lágrima dos anjos
Tudo que temos é tão paradoxal
E eu encontrei estrelas no meu algodão doce
Que gosto tem? O gosto de ter visto tudo e nada saciado
Othon Jun 24
O fenômeno é único, pássaros de sangue saem das feridas de minha alma
No inferno pode-se dizer todas as palavras
No inferno pode-se beber de todas as idiossincrasias
Todas as formas são apenas um ponto diante do infinito
Procuro pela estrela mais elevada e vejo que ela está no poço mais profundo
Os ventos do paraíso passam pelos corredores do meu inferno
Dilúvio de meu ser, eterna descrença, santificada desavença
O personagem triste está bebendo na fonte onde o arco-íris sangra
A cruz onde se encontra qualquer verdade é posta de ponta cabeça num corcel de nuvens dissolvida em faíscas
Arcanjos caídos no esquecimento de deus tocam os sons de litanias diabólicas, como uma forma de lamento
Uma tempestade de pensamentos é uma canção para despertar o demônio de deus para entender o jugo de sua própria existência onde a miséria constituiu a criação do mundo
Caixões voadores de cristal, acima das nuvens da vida
Chaves feitas de sangue e morte, para abrir os portões prostituídos do paraíso que se tornou inferno, derramando-se em meu ser
Eu, o espelho do nada e do ninguém onde o inalcançável está manchado em sangue
Do sangue lavando os sonhos de deus
Encontrarei o reino do coração quebrado
Abrirei minha alma com a lâmina além do bem e mal
A escuridão será luz, a luz será escuridão
Pinto as eternas reticências com o sangue de meu coração
Meu sangue derramado no caos será minha única verdade
Next page